terça-feira, 12 de novembro de 2013

Cinema em Casa

As sugestões que vos deixo, são de três filmes que adorei! Últimamente, ando virada para este género e a colecção de filmes franceses está a crescer!

Uma divertida comédia de costumes, sobre a rivalidade franco-belga


Nos anos 90, durante a época de abolição das fronteiras europeias, Ruben, um guarda fronteiriço da cidade belga de Koorkin, e Mathias, um seu homólogo francês da cidade de Courquain, tentam lidar com o triste facto de as suas funções serem suprimidas.
Ruben, para além de perfeccionista e excessivamente zeloso, odeia franceses… Mathias , considerado inimigo desde sempre, vive um romance secreto com a sua irmã. Assim, o apaixonado rapaz está decidido a casar com a namorada mesmo ciente que, para o poder fazer, terá de se sujeitar ao irmão, por mais inflexível, rezingão e insuportável que ele se possa mostrar. Para isso, oferece-se para fazer uma viagem de trabalho que se tornará absolutamente inesquecível...



                        Apesar de previsível, tem um bom ritmo, é divertido e tem uma excelente fotografia.


Para contornar a maldição da família que acaba com todos os primeiros casamentos, Isabelle (Diane Kruger) tem uma estratégia para se casar com o homem que ama: encontrar primeiro um idiota, seduzi-lo, casar-se e por fim divorciar-se. Seria um plano perfeito se o alvo não fosse o infernal Jean-Yves Berthier (Dany Boon), editor de um guia turístico, que ela irá acompanhar desde o Kilimanjaro a Moscovo, numa viagem de núpcias para o melhor e, especialmente, para pior.


  Acho este actor muito cómico e desde que o vi num dos filmes do Asterix (fazia de
Brutus) fiquei com curiosidade em ver mais filmes com ele. Não me desiludiu!


Num mundo paralelo, na aldeia de Bégaméni, uma tribo oprimida faz evocações ao céu pedindo um salvador para libertar o povo de Zotan, um tirano canibal. Em Paris, o tímido e discreto restaurador de obras de arte Rémy, encontra o seu atelier inundado, perdendo grande parte do seu trabalho. E Lucile, a mulher, anuncia inesperadamente que o vai trocar por outro homem. Já na casa dos seus pais, em busca de conforto, quando está a servir café aos seus irmãos, Rémy é subitamente aspirado pelo solo e numa viagem pelo tempo chega até Bégaméni. Aí é recebido como o libertador que o povo espera, embarcando numa aventura imparável. Rémy fica entre estes dois mundos, o da sua ruptura com Lucile, e o da libertação de um povo, com a guerra contra as hostes de Zotan e os problemas de uma população que conta com ele.

6 comentários:

Green disse...

Filmes franceses não é bem o género que vejo, e nunca ouvi falar destes três.

Belle disse...

filme francÊs adorei os amigos improváveis. estes não conheço. beijinho

Tsuri disse...

Eu sou fã do humor francês. O primeiro filme, quando esteve no cinema, foi visto em família no aniversário da minha mãe e posso dizer-te que na parte das bicicletas me esperneei de tanto rir:)

susiedesonho disse...

Obrigada pelas dicas. Vou averiguar...

Tsuri disse...

Loirinha, vê o Benvindos ao Norte e depois diz algo:)

As Duas na Letra disse...

anotado :)

Beijinhos!