domingo, 4 de novembro de 2012

Para a borboleta...



"A razão por que a despedida nos dói tanto é que nossas almas estão ligadas.Talvez sempre tenham sido e sempre serão.Talvez nós tenhamos vivido mil vidas antes desta e em cada uma delas nós nos encontramos.E talvez a cada vez tenhamos sido forçados a nos separar pelos mesmos motivos.Isso significa que este adeus é ao mesmo tempo um adeus pelos últimos dez mil anos e um prelúdio do que virá."

Porque gosto de acreditar que a morte de alguém que amamos,  não sigmifica um adeus mas sim um até já! Vamos continuar a amar essa pessoa, através de doces memórias... porque no final de contas é isso que fica!  Volto a dizer querida Maria, o que és, deves a ele por isso não há melhor recordação que o teu papá te deixou.


5 comentários:

Marta disse...

É triste mas temos de aprender a lidar com a morte da melhor forma, por isso, um até já é uma esperança de reencontrar a pessoa deixa por momentos.

Nessie disse...

Eu acredito (ou quero acreditar) que guardamos um bocadinho da pessoa que parte em nós.
através das memórias, através de pequenos gestos diários, de "tiques" que herdámos, sei lá... Todos os dias são repletos de pequenas coisas de quem já partiu!*

Maria disse...

Sem palavras para tamanho mimo...tu que me acompanhaste em tantos dias de dor, que me leste quando falar era a última coisa que queria, que passaste a ser uma amiga de coração, mostras mais uma vez que és uma pessoa maravilhosa e que a vida devia ser obrigada a sorrir-te!!!!
O meu pai finalmente descansa, finalmente deixou de sofrer com uma doença que eu odeio e que parece que não nos larga...
Adoro-te e obrigada por tudo...
A borboleta vai voltar a voar e a sorrir...só precisa de tempo...

Cora disse...

Mulher, mudando de assunto assim tão breve, que livro é esse que tu tá lendo.
*)

Eu não sabia que tinha outro álém dos cinqunta tons de liberdade. Me conta mais...

Green disse...

Estas situações são sempre muito más, e custam imenso, mas é isso mesmo, não é um adeus mas um até já.